segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O ensino do cinema além fronteiras

A propósito da nossa necessidade de aprofundar os nossos conhecimentos e contactar com outras realidades do ensino do cinema, foi-me dado a conhecer pelo Professor Doutor Vítor Reia-Baptista o seguinte endereço electrónico relativo ao Grupo Comunicar (colectico de educación e comunicación): http://www.uhu.es/comunicar/index.html. Daqui podemos ir directamente à revista accionando o respectivo link, ou também através de: http://www.revistacomunicar.com/. O número 29 tem artigos interessantíssimos sobre o ensino do cinema nos sistemas educativos Inglês, Francês, Espanhol além de outros. Podemo-nos registar, e assim ter acesso gratuito às revistas.
Mas também podemos navegar até às páginas do Professor Enrique Martínez-Salanova Sánchez (http://www.uhu.es/cine.educacion/) sobre Cinema e Educação onde encontramos uma tal quantidade e qualidade de informação que corremos o risco de passar muitas noites em claro para conseguir absorver tudo.
Nem sempre conseguimos encontrar imediatamente na net aquela informação que nos agrada, mas esta é sem dúvida fundamental para o desenvolvimento e apuramento do nosso trabalho.
PF

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Manoel de Oliveira

Não há dúvida que o aniversário do realizador Manoel de Oliveira comemorado hoje é um acontecimento não só nacional como mundial. Trata-se tão só do realizador em actividade e com uma actividade mais longa, desde sempre. Hoje muito se escreveu e leu. Apenas quero referir que, quando Manoel de Oliveira nasceu em 1908, Geoges Méliès ainda fazia filmes, Émile Cohl fazia os seus primeiros (entre os quais a animação “Fantasmagorie”), David Griffith entrava no mundo do cinema como actor, no filme “Rescued From na Eagle’s Nest” e …, a Biograph Co. ainda não tinha descoberto Hollywood!
PF

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Enve 2009



Vai decorrer amanhã, dia 28, na escola E.B. 2,3 de Quarteira nº2, o 2º encontro nacional de vídeo-escolas. Mais uma vez os professores poderão partilhar as suas iniciativas, apresentar trabalhos e também expôr as suas dificuldades com a utilização dos meios audio-visuais na sua prática lectiva. Estes encontros pretendem também desenvolver a ideia de que os nossos métodos de ensino se devem modernizar e que já começam a notar muitas iniciativas nesse sentido.

Mais informações em http://www.spedromar.net. Nesta segunda edição deverão ser discutidas as metodologias utilizadas na disciplina de cinema e foram convidadas as seguintes entidades: Delegação Regional da Sociedade Portuguesa de Autores, Mar de Histórias e Indie Junior.

PF

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Livro de Cinema 1


Chegou recentemente às livrarias (edição de Agosto), o livro "Cinema" da DK - Dorling Kindersley, traduzido para português pela Civilização Editores. Para quem poderia ter pensado em fazer um manual para a disciplina de cinema, deve ter ficado com os olhos em bico, porque este livro é isso mesmo: um autêntico manual, pelo que aconselho a sua aquisição pela bibliotecas escolares. É que não se trata apenas de um, mas de seis em um. Passo a explicar. Nesta edição da colecção Guias Essenciais dedicada à sétima arte, encontramos os seguintes capítulos: A História do Cinema; Como são feitos os filmes; Géneros de filmes; Cinema Mundial; Realizadores de A a Z; e, Top 100 filmes (discutível é claro). Além disso, ainda encontramos uma listagem com a cronologia completa dos principais festivais e um mini-glossário. É claro que nem tudo é perfeito, porque não há referência ao pré-cinema, e o espaço dedicado ao cinema de animação é muito reduzido. De qualquer maneira, é bastante aconselhável e está numa linguagem acessível a todos, professores e alunos.

PF

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Cinemateca Júnior e 19º Festival de BD da Amadora












Nos dias 5 e 6 de Novembro os alunos do 7º ano de escolaridade do Agrupamento Vertical de Escolas de S. Pedro do Mar de Quarteira foram a Lisboa visitar o 19º Festival de Banda Desenhada da Amadora e a Cinemateca Júnior nos Restauradores. Esta deslocação no primeiro período até à capital começa a tornar-se um hábito no nosso calendário escolar, porque esta visita de estudo é muito bem aceite pela maioria dos alunos – talvez pela forma tão simpática como temos sido recebidos e pela excelência das exposições. Os alunos foram acompanhados pelas professoras Ana Frade, Joana Vale e Maria João Colaço, no primeiro dia e por Lina Silva, Maria Emília Coelho, Célia Arraiolos, Filipa Duarte, além do professor Miguel Neta e de mim, que os acompanhei nos dois dias. O nosso espírito de entreajuda (e também alguma dose de paciência) também foi muito importante para o sucesso da iniciativa.
Em cada um dos dias, os alunos foram divididos em dois grupos em que um deles se desloca à Amadora enquanto o outro visita a Cinemateca Júnior. Após o almoço, trocam.
Na edição deste ano, o festival de Banda Desenhada tinha como tema a “Tecnologia e Ficção Científica” com exposição de pranchas e ilustrações de vários desenhadores e argumentistas, com diferentes técnicas, e de épocas distintas – foi com alguma nostalgia que pude rever Flash Gordon e até A Guerra das Estrelas. Os alunos ficaram especialmente impressionados com o apuramento técnico de algumas ilustrações de Yu Lu e Hong Lee no stand dedicado à China. Além disso viram a exposição dos trabalhos concorrentes e respectivos vencedores no habitual concurso de BD e assistiram ainda a filmes de animação no auditório.















Em Lisboa, nos Restauradores, estava reservada uma surpresa. Na sala de cinema da Cinemateca, os alunos puderam assistir ao documentário "A História da Lanterna Mágica" de Ivan Steiger, que foi especialmente programada para os nossos alunos. Além disso, vimos uma película de cinema, visitámos a exposição interactiva de pré-cinema com alguns brinquedos ópticos (taumatrópios, zootrópios, praxinoscópios, etc), mas também a exposição sobre a evolução da fotografia até à criação do movimento e assistimos aos filmes da primeira sessão dos irmãos Lumiére. Nofinal ainda recebemos uma pasta. Infelizmente, apenas os alunos que já tiveram cinema no sétimo ano puderam relacionar esta espectacular exposição com o que aprenderam nas aulas, por isso, espero que os restantes possam ter um professor o mais rapidamente possível. Mais uma vez, o nosso agradecimento à disponibilidade e fantásticas explicações da Mariana, Teresa, Simona e Cristina que tão bem nos receberam. Então até para o ano, com mais alunos.





















PF

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO NA NFB

Para quem está agora a leccionar as técnicas de animação, no 7º ano de escolaridade, este site é óptimo, pois mostra-nos de uma forma simples e com exemplos em vídeo, as diversas técnicas que tentamos mostrar aos nossos alunos. Ainda nos dá alguma informação sobre os animadores, filmes e descreve-nos, em inglês ou françês, as ditas técnicas.
Bom trabalho, Paulo Rodrigues

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Animação de Ferenc Cakó

A animação em areia foi iniciada por Caroline Leaf da National Film Board of Canada e desde então muitos autores/realizadores têm experimentado esta técnica. Entre nós é conhecido o filme "Clandestino" de Abi Feijó. Podem-se visionar vários vídeos no site da NFB, dos quais destaco o filme "Animando" do brasileiro Marcos Magalhães.
Natural da Hungria, Ferenc Cakó é um autor de animação muito conceituado que se especializou em apresentações ao vivo de 'live animation" em areia e que tem deixado muitos seguidores, com destaque para Ilana Yahav. Em 2006, na gala do Lisboa/Dakar, apresentado por Catarina Furtado, assistiu-se a uma performance de Ferenc Cakó que pode ser vista em:


PF

Cinemudo Musicado



No próximo sábado, dia 25 de Outubro, terá lugar na antiga cadeia de Lagos um espectáculo com projecção de filmes de Georges Méliès, acompanhado com música ao vivo. Esta iniciativa foi organizada pela Associação LAC (Laboratório de Actividades Criativas, com o apoio da Câmara Municipal de Lagos e o inevitável Cine Clube de Faro.
Terá a participação de Vitor Silva Tavares como comentador e os músicos Marco Miranda, Marco Ramos, Tiago Cutileiro e Tiago Flores.
Esta informação foi-nos dada pelo novo colaborador, o professor Paulo Carvalheira que iniciou este ano a disciplina de Cinema em Boliqueime.
Obrigadão

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Lotte Reiniger



















Vai surgir no mercado em Novembro um novo DVD com filmes da realizadora alemã Lotte Reiniger, que se destacou na animação de silhuetas (ou recortes). Já existia um outro DVD com o filme “As aventuras do Príncipe Achmed”, que para alguns estudiosos, é considerada a primeira longa metragem de animação, sem contar com o desaparecido “El Apóstol” de Quirino Cristiani.

Esta edição da inglesa BFI, é composta por dois discos e inclui 19 curtas-metragens, desde 1922 (Cinderella) até 1961 (The Frog Prince). Infelizmente, suspeito que não haverá uma edição portuguesa brevemente.

PF

Verdade ou consequência

video

Graças às novas possibilidades de divulgação de vídeos, tivemos acesso a esta preciosa informação que tem causado tanta polémica. Sempre defendemos a importância dos audiovisuais no âmbito escolar e esta recente discussão motivada pela divulgação no Youtube permite mais alguns momentos de reflexão. O que para uns é o último grito na formação de professores (onde cabe tudo: desde música de intervenção, até aos sucessos do cancioneiro popular), para outros não passa de uma moda de gosto duvidoso que apenas serve para humilhar a classe docente. Cada um que decida.

Já agora, uma questão: Será que já foram entregues computadores Magalhães no Ministério das Finanças? Acredito que, se tivessem sido fornecidos atempadamente, não teria havido atrasos com os ficheiros do orçamento na Assembleia da República.

Longa vida para os vídeos escolares.

PF

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

INDIE JÚNIOR ESCOLAS

Recebi hoje na EB 2, 3 João da Rosa, um pack de dvd's bastante interessante: 5dvd's com filmes de animação e imagem real, um para cada ciclo do ensino, desde o pré-escolar até ao secundário, acompanhados de um cd-rom com fichas de exploração dos filmes e metodologias. No rápido olhar que dei, acho bastante útil, além de que já exploro nas aulas de cinema alguns dos filmes que constam deste material pedagógico de nome INDIE JÚNIOR ESCOLAS. Já receberam? Quem nos terá enviado? Seja quem for, o meu obrigado. Pormenores no site www.indiejunior.com
Paulo Rodrigues

domingo, 5 de outubro de 2008

Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação

Estão disponíveis em http://www.bocc.ubi.pt/_listas/tematica.php?codtema=4 dezenas de textos sobre cinema, de professores (sobretudo portugueses, brasileiros e espanhóis) que se têm dedicado a investigar sobre a sétima arte. Entre eles, encontra-se o Professor Vítor Reia-Baptista da Universidade do Algarve. Os textos estão acessíveis, na sua maioria em PDF, o que permite que se possam imprimir para uma leitura mais demorada (apesar de não defender esta opção). Boas leituras!
PF

Dicionário de Cinema

No dia 3 deste mês foi apresentado no primeiro Congresso de Cultura Ibero-Americana, na Cidade do México, o "Dicionário do Cinema Ibero-Americano". Este dicionário irá conter mais de 16000 entradas, 5000 fotografias sobre cinems de Portugal, Espanha e América Latina e deverá sair em Novembro com cerca de 8500 páginas divididas em 8 volumes. Ainda não sei quem o editará em Portugal, mas cá o esperamos.
PF

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Brinquedos ópticos em DVD

Muitas vezes andamos à procura de material de apoio e nem sempre encontramos o que queremos. Então quando se trata da "pré-história" do cinema, nomeadamente de brinquedos ópticos, ainda se torna mais difícil. Um destes dias encontrei uma referência ao realizador/coleccionador alemão Wener Nekes que elaborou uma série de documentários intitulados "Mediamagica". Este material é excelente para o sétimo ano na disciplina de cinema e está disponível em: http://www.moviemail-online.co.uk/directors/627/_Werner_Nekes/. Também podemos ir directamente à sua página electrónica (http://wernernekes.de/00_shop1/index.php?p=), mas fica mais caro, por isso, para quem está mesmo interessado, é melhor encomendar através do site inglês da Movie Mail.
Um abraço,
PF

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Novo ano lectivo prestes a iniciar

Em primeiro lugar, quero desejar a todos, professores e alunos, um bom ano lectivo. Na próxima semana começam as aulas com algumas novidades: será um ano experimental na avaliação docente, o que parece estar a criar algumas confusões; as escolas têm cada vez menos autonomia; apesar disto a disciplina de cinema vai alargar-se à escola de Boliqueime (passam a ser seis escolas); e eu obtive licença sabática para estudar melhor a disciplina e propôr um manual escolar. De resto tudo na mesma: milhares de professores sem colocação; o falso insucesso vai continuar a iludir as estatísticas; a maioria dos professores vão continuar a fazer das tripas coração para fazerem o seu trabalho com qualidade e ajudarem os seus alunos; e..., alguém diz que o tempo das facilidades acabou! (se calhar esqueceu-se que as facilidades começaram com um seu antecessor que se dizia apaixonado pelo ensino). Depois da primeira cena, logo se vê!

Um abraço,
Pedro Félix

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Crónicas de Borba

É tempo de descanso, de ver aqueles filmes que estavam na prateleira há algum tempo à espera das... férias, tempo de passear, de mandar para trás das costas o 'estresse', tempo para não nos preocuparmos com o aumento dos combustíveis... ,mas se pudermos ir a Espanha pôr gasosa mais barata não se diz que não. Entretanto, já que estamos do outro lado da fronteira (?), que tal fazermos umas comprinhas. É então que reparamos na secção dos DVD's e, surpresa das surpresas, ele há deles com legendas em 'portugués'. Olhando com mais atenção, reparamos então que nuestros hermanos andam um bocadito à frente da malta. É que se encontram (legendados) algumas pérolas, como por exemplo, uma colecção dos filmes de Al Jolson com o "Jazz Singer" e uma colecção de Ozamu Tezuka, entre outros. Bolas, lá voa o subsídio de férias, porque estes achados não são de desperdiçar, para quem tem aulas de cinema para preparar (a partir de 1 de Setembro, é claro!)
Aquele abraço e até breve
PF

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Espectáculo Buster Keaton

De acordo com o Diário Digital, no dia 28 de Junho, irá realizar-se um espectáculo no MusicBox (Lisboa), de homenagem a Buster Keaton. A iniciativa chamar-se-á "O Homem Que Ri" e contará com a presença das bandas: WomanIn Panic, Murdering Tripping Blues, DJ Ride, Ruas, Nicotine Orchestra e Deestant Rockers, inspirando-se em filmes do "Stone Face".

segunda-feira, 19 de maio de 2008

O cinema (já) não faz milagres

Estava neste fim de semana entretido a ler um jornal semanal de grande tiragem quando me saltou aos olhos uma notícia. Trata-se de um "movimento religioso" intitulado Igreja Pentecostal Deus é Amor (!) que incita os seus seguidores a não ver TV ou ir ao cinema. Ao contrário do que tem acontecido na igreja católica que tem perdido fiéis e que, talvez por isso mesmo pretende aderir aos novos meios de comunicação (parece que o Papa irá enviar SMS's aos jovens), a IPDA será aquela que mais tem crescido nos últimos anos em Portugal. Segundo o texto, é a dona do maior templo religioso da América Latina com ... 6o mil lugares e em Lisboa as cerimónias são realizadas no antigo cinema Xénon.

O cinema, logo no seu início começou a ter alguns problemas com o divino quando em 4 de Maio de 1897, 121 pessoas (dos quais 110 mulheres), pertencentes à nata da sociedade parisiense assistiam a uma sessão do cinematógrafo no recém inaugurado Charity Bazaar e morreram carbonizadas. Na época, considerou-se que esta catástrofe seria uma acção de Deus destinada a punir o orgulho que os discípulos do cinema ostentavam, cuja descoberta científica tendia a brilhar mais alto que o universo teológico. Três anos mais tarde, na Exposição Universal de Paris, os irmãos Lumière voltariam a obter sucesso quando cerca de um milhão de espectadores assistiram às sucessivas projecções gigantes do Cinematógrafo numa tela de 25m por 15m.


Ainda segundo a reportagem, um milhão é o número estimado de fiéis da IPDA, distribuídos por 15 mil templos de 70 países. Granda cena!

PF

segunda-feira, 12 de maio de 2008

MONSTRA 2008


Caros colegas / amigos:
Está a decorrer até ao dia 18 de Maio o 7º Festival de Animação de Lisboa. Este ano é dedicado à animação das terras de Sua Majestade. Poderia destacar as retrospectivas dos Estúdios Aardman ou dos Irmãos Quay, mas vendo o prgrama com atenção percebemos rapidamente que há muito mais motivos de interesse. É uma grande oportunidade para descobrir alguns animadores que nem sempre são acessíveis (excepto para quem frequenta os festivais e conhece bem o meio).
Outro motivo de interesse é a habitual competição e, quando desfolhava o catálogo qual não foi a minha surpresa ao constatar a quantidade de animação portuguesa no concurso. E ainda... a recente animação de José Miguel Ribeiro "Passeio de Domingo", com exposição de alguns desenhos e modelos.
Quem puder, que se desloque a Lisboa nestes dias porque vale a pena.
Por acaso ou não, há uma extensão do festival no recente Museu do Oriente.
PF

segunda-feira, 5 de maio de 2008

A propósito de Edison e dos irmãos Skladanowsky

Para podermos ter acesso aos filmes de Edison e dos irmãos Skladanowsky, recomendo estas edições em DVD (é claro que ainda não as encontramos por cá). No primeiro caso, trata-se de uma caixa de 4 discos, contendo 140 filmes desde 1891 até 1918, cheio de extras fantásticos. É uma edição da Kino. No caso dos pioneiros alemães, pode-se encontrar em alemão (para quem sabe) ou uma edição em francês, com dois discos dos documentários de Wim Wenders: "Les Lumière de Berlin" de 1996 e "Chambre 666" de 1982. Os Lumière de Berlim passaram na RTP2 há poucos anos com o título de "Os Irmãos Skladanowsky" (o título original é "Die Gebrüder Skladanowsky").
Os textos publicados anteriormente estão disponíveis em formato PDF para os alunos (e não só) em: http://www.spedromar.net/conteudoseducativos/index.htm.


PF

William Dickson

William Dickson começou a trabalhar para Thomas Edison em 1883 e cinco anos mais tarde foi encarregue de desenvolver um projecto de fotografias animadas. As primeiras experiências com o Cinetógrafo (a câmara de filmar de Edison) eram baseadas no método do cilindro fonográfico em que as imagens eram dispostas numa sequência em espiral. Ao rodar o cilindro deveria surgir a ilusão de movimento tal como acontecia com o som gravado. Estes fotogramas seriam visionados por umas lentes microfotográficas, e ficaram conhecidas por “Monkeyshines”. Os resultados não foram muito animadores devido à falta de definição das imagens.


Quando John Carbutt apresentou as tiras de película de celulóide com emulsão fotográfica, depois desenvolvidas pela Eastman Company, Dickson adquiriu largas quantidades e iniciou os estudos para um mecanismo onde a película com perfurações nos dois lados se deslocava na horizontal expondo as imagens.
Este dispositivo que chamou Cinetoscópio permitia o visionamento dos filmes através de um orifício, depois de introduzir uma moeda de 25 cêntimos. O primeiro protótipo foi apresentado em 20 de Maio de 1891 numa convenção da Federação Nacional dos Clubes Femininos (a patente do Cinetógrafo e do Cinetoscópio foi registada em 24 de Agosto), e concluiu o sistema no ano seguinte. A versão final foi apresentada oficialmente em 9 de Maio de 1893 no Instituto de Artes e Ciências de Brooklin.
Para a realização dos filmes era necessário construir um estúdio próximo dos laboratórios em West Orange. Assim surgiu o “Black Maria”, o primeiro estúdio cinematográfico, onde foram convidados a actuar os artistas que se encontravam em Nova Iorque. Foi também nesta altura que se iniciaram as primeiras experiências de sincronização da imagem com o som.
A partir de Abril de 1894, começaram alguns desentendimentos entre Dickson e Edison inicialmente com a contratação de William E. Gilmore para gerente das empresas e depois com a recusa de Edison em apostar no estudo de um projector em detrimento do método do visor individual. Paralelamente aos estudos com o Cinescópio de Edison, começou a trabalhar com Henry Norton Marvin e Herman Casler num sistema alternativo. Depois de ser acusado de falta de lealdade, Dickson abandonou a Edison Company a 2 de Abril de 1895. Em 27 de Dezembro fundou a American Mutoscope and Biograph Company, com Marvin, Casler e Elias Hoopman. Esta companhia desenvolveu um dispositivo que consistia num sistema de espelhos adaptado a um mutoscópio, e que estava ainda ligado a um projector que chamaram Biograph. Mais tarde aderiram à realização de filmes em película. A Biograph (como era conhecida) tornou-se numa das principais rivais da Edison. Em 1897 Dickson deslocou-se a Londres para formar a filial British Mutoscope and Biograph Company. A partir de 1903 abandonou o cinema e estabeleceu-se como engenheiro eléctrico.
PF

domingo, 4 de maio de 2008

Max Skladanowsky

Foi no Wintergarten em Berlim, situado na Martin Luther Strasse, que se realizaram as primeiras projecções de cinema para um público pagante. A 1 de Fevereiro de 1907, o jornal alemão Der Komet atribuiu a invenção do cinema a Max Skladanowsky iniciando uma polémica com os jornalistas franceses sobre a data do seu início.

Max e o irmão Emil acompanhavam o seu pai Carl em espectáculos itinerantes de instrumentos ópticos, principalmente com Lanternas Mágicas. Este interesse pela projecção de imagens levou a que estudassem a possibilidade de animar fotografias e no verão de 1892 desenvolveram uma máquina de filmar e projectar utilizando a nova película de celulóide Kodak inventada por Eastman. O Bioscópio (Bioskop) é um dispositivo de projecção desenvolvido a partir das lanternas mágicas de dupla lente (biunial). Skladanowsky utilizava duas tiras de película (de 54 mm de largura), projectando alternadamente 16 fotogramas por segundo.
Em 1 de Novembro de 1895 (cerca de dois meses antes dos irmãos Lumière) conseguiram finalmente apresentar os primeiros filmes em Berlim Wintergarten. Esta apresentação, que não durou mais do que 15 minutos e que era composta por apenas 8 pequenos filmes, foi entusiasticamente recebida, como foi descrito por um jornal local. Um mês depois, em 21 de Dezembro, iniciaram-se as projecções em Hamburgo e foi realizado um contrato para a sua apresentação em Folies Bergere, Paris em Janeiro. Este não se concretizou devido ao recente sucesso dos irmãos Lumière, que em 28 de Dezembro de 1895 fizeram a sua primeira apresentação pública do Cinematógrafo, um projector com um sistema mais simples do que o Bioscópio. Supõe-se que também teria sido acordado e não concretizado um show em Leicester Square, Londres, no Empire Theatre. Restava a Max e Emil a divulgação do seu projector na Alemanha e países vizinhos (Noruega, Suécia, Holanda e Dinamarca). A última apresentação dos filmes dos irmãos Skladanowsky foi em 30 de Março de 1897 em Stettin, Alemanha, porque foi cancelada a licença de Max para projectar filmes. Dedicou-se então à produção e venda de flip-books, câmaras de filmar e de projectar e ao estudo da fotografia a três dimensões. Criou a companhia Projektion fur Alle (projecção para todos) destinada à projecção e distribuição de lanternas mágicas com diapositivos em 3D. A companhia também produziu alguns filmes realizados por Eugen em 1913-14, mas que não obtiveram grande sucesso. Max voltou a usar o Bioscópio nas comemorações do 40º aniversário do cinema em Postdam, no Filmuseum.

PF

Thomas Edison

É considerado um dos maiores inventores de sempre, sendo-lhe atribuídas mais de 1300 patentes. Edison será mais conhecido por invenções como a lâmpada eléctrica incandescente ou o fonógrafo (antecessor do gira-discos), mas a sua actividade era muito mais vasta. As invenções do “feiticeiro de Menlo Park”, como era conhecido, alteraram os hábitos de vida em todo o mundo e contribuíram definitivamente para a implementação da tecnologia na sociedade.



A projecção de imagens em movimento era uma das suas áreas de interesse, que se acentuou em Fevereiro de 1888 com a visita do fotógrafo Eadweard Muybridge ao seu laboratório de West Orange. Edison pretendia um instrumento que “estivesse para o olho tal como o fonógrafo estava para o ouvido”. Em Junho de 1889 contratou William Dickson, que desenvolveu o Cinetoscópio (Kinetoscope – do grego “kineto” = movimento, e “scopos” = ver), um instrumento que permitia o visionamento individual de imagens em movimento através de um orifício. Os filmes eram feitos em película de 35 mm adquirida à Eastman Company usando o Cinetógrafo (Kinetograph). Em 1892 foi construído um estúdio em West Orange que se movia de acordo com a deslocação do sol e continha um telhado amovível para possibilitar a entrada da luz. O primeiro estúdio cinematográfico chamava-se Black Maria (por associação com as carroças da polícia).
A primeira sala com Cinetoscópios (Kinetoscope parlor) foi inaugurada em 14 de Abril de 1984 em Nova Iorque, pouco depois de ter sido criado o Kinetograph Department da Edison Manufacturing Company.
Após o sucesso dos irmãos Lumière, o Cinetógrafo tinha os dias contados e Edison sentiu necessidade de investir nos projectores para um público. Aproveitou o desentendimento dos inventores do Phantascope, C. Francis Jenkins e Thomas Armat, adquriu os direitos de produção deste aparelho e rebaptizou-o com o nome de Vitascope. A primeira projecção do Vitascope foi em 23 de Abril de 1896 na Koster and Bial’s Music Hall em Nova Iorque, já depois de William Dickson ter abandonado a companhia.Com a proliferação das companhias cinematográficas na costa leste dos EUA, a Edison Company criou em 1 de Março de 1908 a Association of Edison Licensees, para trazer alguma ordem à competição desregulada. De fora desta associação ficou uma outra empresa, a Biograph de Dickson, que também formou um grupo rival de licenciamento de patentes. Da confusão que se seguiu, resultou um acordo em 18 de Dezembro, donde surgiu a Motion Picture Patents Company, mais conhecida como “the Trust”, porque passou a monopolizar o mercado de cinema americano. Estava assim criado o chamado sistema, que incluía todo o processo cinematográfico desde a produção até à exibição final – começava com o fabrico da película da Eastman Kodak Company e terminava nas salas de projecção. Todos os passos eram controlados pela MPPC. No entanto, a Biograph deslocou-se para uma pequena vila próximo de Los Angeles, Califórnia – Hollywood, e em 1913 outras lhe seguiram para escapar ao cerco imposto pela Edison Company. A ascenção de Hollywood correspondeu ao declínio da produção cinematográfica de Edison.
PF

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Encontro Nacional de Vídeo-Escolas


Irá realizar-se no próximo dia 21 de Maio, na Escola E.B. 2,3 de Quarteira nº2, um encontro de escolas com o objectivo de partilhar as várias experiências no âmbito do audiovisual. Este primeiro encontro será porventura, mais regional do que nacional. De qualquer forma estão abertas as incrições para os interessados. Para tal, deverão consultar o site: http://www.spedromar.net/enve/index.htm.
Até lá...
e muito cinema
PF

terça-feira, 22 de abril de 2008

Aula sobre os Lumière

Neste momento estou a concluir os textos sobre Thomas Edison/William Kennedy Dickson (EUA) e sobre os Irmãos Skladanowsky (Alemanha). O vídeo dos Lumière foi agora refeito e acompanha uma ficha para os alunos preencherem (disponível no site da escola de Quarteira).
video

terça-feira, 8 de abril de 2008

Zootrópio

Trabalhos feitos por alunos relativos ao conteúdo dos brinquedos ópticos.
Depois de terem feito um Taumatrópio, os alunos são convidados a fazer uma tira para o Zootrópio. Além de verem a animação resultante, conseguem perceber o conceito de "persistência retiniana".



video

segunda-feira, 31 de março de 2008

Site dos Oscares

Está lá tudo:
http://www.oscars.com/

Sem palavras

Muitos já conhecem, mas é sempre divertido rever
video

quarta-feira, 26 de março de 2008

Site de cinema para consulta


Um colega/amigo/familiar/colaborador nosso teve a amabilidade de nos enviar o endereço de um site interessantíssimo ligado ao cinema vanguardista.

Podemos visionar (é claro que numa qualidade reduzida) centenas de filmes de inúmeros artistas, muitos deles ligados também às artes plásticas: Marina Abramoviç, Alberto Giacometti, Gilbert & George, Man Ray, Joseph Beuys, Jean Cocteau, Marcel Duchamp, Hans Richter, etc. Abarca o cinema alternativo desde praticamente o seu início, ou seja, há filmes de Émile Cohl até Anton Corbijn. É escusado continuar - o site é mesmo obrigatório: http://ubu.com/film.

Alguns destes filmes têm edições em DVD. Destaco a colecção AVANT-GARDE vol I e II da KINO (num total de 4 discos), mas mesmo assim, nada que se compare à quantidade que nos é oferecida pela UBUweb.



Obrigado Nuno Neves.

Georges Méliès

Já aqui falámos da Flickeralley.
Pois bem, desta vez é para anunciar a recente edição em... 5 DVD's de uma colecção dos filmes de Méliès. Começa com a "Partida de Cartas" (1896) e termina com "A Viagem da Família Bouririchon" (1913). Este pioneiro do cinema, reconhecidamente considerado um dos génios da sétima arte (apesar de ter caído em desgraça, devido à concorrência desleal) ficou impressionado com a primeira apresentação dos irmãos Lumière em 28 de Dezembro de 1895. Grande contador de histórias, soube aliar a literatura e o teatro à projecção de imagens em movimento, tendo sido decisivo na divulgação e sucesso do cinema, com a soberba utilização da montagem e dos efeitos especiais.
Os 173 filmes são acompanhados por um pequeno livro com comentários de Norman McLaren, John Fraser e um índice temático. Alguns dos filmes são coloridos (fotograma a fotograma), tal como as versões originais.
Esta colecção é portanto uma pérola para os coleccionadores, e, como a Flickeralley já nos habituou, com uma excelente tranferência para o digital. Quem o quiser terá que desembolsar 89.95 dólares (mais portes, e se calhar, mais despesas de alfândega).
P.F.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

A publicidade, a escola, e... o cinema

Estava entretido a ler hoje de manhã o jornal Correio da Manhã quando me deparo com uma notícia intitulada "publicidade ensinada" (http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=278891&idselect=10&idCanal=10&p=200). Trata-se do lançamento do projecto "Media Smart", que pretende levar os alunos do 1º e 2º ciclos a debater estas questões. Para quem não teve conhecimento, no início do ano foram distribuídos pelas escolas um CD-rom com o nome de "Vamos ler imagens" e que além da publicidade, também propõe a análise de pinturas, fotografias, televisão e cinema. Estes projectos andam à volta do conceito relativamente recente de "literacia mediática", que parece ainda um pouco ausente nas escolas do ensino básico. Os conteúdos leccionados nas áreas artísticas nomeadamente na educação visual nem sempre possibilitam uma abordagem mais consistente destas questões, devido essencialmente à secundarização do ensino artístico no currículo dos alunos. Não há dúvida que o aparecimento da disciplina de cinema veio possibilitar a inserção destes temas e o desenvolvimento de competências nos alunos que os levarão a adquirir sentido crítico inclusivamente no âmbito da publicidade.
P. F.

Fantasporto 2008


Na próxima segunda-feira, 25 de Fevereiro vai começar mais uma edição do Fantasporto, um dos grandes festivais de cinema que anualmente marcam a agenda cultural em Portugal. A abertura oficial decorrerá no Grande Auditório do Teatro Rivoli pelas 21.30h .
Se tivesse dispensa das aulas até ia...
Para os mais interessados e com disponibilidade, podem consultar: http://www.fantasporto.com/
Um abraço,
Pedro Félix

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

O PAPEL DOS GABINETES DE VÍDEO NAS ESCOLAS

Um grupo de alunos do 9º ano solicitou a ajuda do Gabinete de Vídeo da escola para a execução de um vídeo que foi hoje apresentado na aula de inglês. Apesar de já não serem alunos da disciplina de cinema, recorreram aos serviços deste espaço escolar, justificando que o gabinete não se destina só à disciplina de ensino artístico. O gabinete não é muito solicitado infelizmente, mas continua a cumprir a sua função de modernização das práticas educativas. Já tivemos outros pedidos de ajuda e é pena que ao fim de quatro anos de instalação ainda não tenha o reconhecimento que devia, nomeadamente pela não atribuição de um horário de funcionamento. Às vezes parece que é visto como um espaço "emprestado" para o usufruto de alguns curiosos e não como um local de eleição para a auto-formação dos docentes, contribuindo para a realização de boas práticas.
Será que não tenho razão?
Pedro Félix

sábado, 9 de fevereiro de 2008

PERSÉPOLIS - ESTREIA 21 FEVEREIRO




O mais singular e especial filme do ano vai finalmente estrear entre nós no próximo dia 21 de Fevereiro: PERSEPOLIS, o filme de Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud, que acaba de ser nomeado para o Oscar do Melhor Filme de Animação depois de, em Maio do ano passado, ter sido consagrado com o Prémio do Júri no Festival de Cannes, o Prémio do Público nos festivais de São Paulo e Vancouver e o Prémio Melhor Animação entregue pelo New York Film Critics Circle e a Los Angeles Film Critics Association.

A história de PERSÉPOLIS é-nos contada atrás dos olhos de Marjane, uma criança de 9 anos, que vive em Teerão no seio de uma família culta, não se separa dos seus ténis Adidas, tem Bruce Lee como seu herói pessoal e passa boa parte do seu tempo em longas conversas com Deus e Marx. Mas esta felicidade tem os dias contados. Estamos em 1978, e o regime do Xá está prestes a ser deposto e a ser substituído pela Revolução Islâmica. Com ela é também destruída a esperança de um povo, com os fundamentalistas a tomar o poder, forçando as mulheres a usar o véu e mandando para a prisão milhares de pessoas.
Inteligente e destemida, Marjane consegue fintar os “guardas sociais” e descobre o punk, os Abba e os Iron Maiden. Mas, quando o seu tio é cruelmente executado e as bombas começam a cair sobre Teerão durante a guerra Irão/ Iraque, o medo diário que invade o quotidiano torna-se palpável.

Baseado na obra autobiográfica original da mesma Satrapi, PERSÉPOLIS mergulha em 15 anos da história do Irão, da deposição do regime do Xá, em 1978 e tomada do poder pelos fundamentalistas islâmicos, passando pela guerra Irão-Iraque, até 1993, momento em que a jovem heroína do filme, decide que, para ser livre e emancipada, tem que deixar o seu país natal.

Com um delicado equilíbrio entre a tragédia histórica e a comédia familiar, e o drama e a sátira social, PERSÉPOLIS é exímio não apenas na sua abordagem delicada aos conturbados acontecimentos que assolaram o Irão neste período, mas também no olhar destemido que lança sobre temas como a liberdade e repressão, o preconceito e o fundamentalismo religioso, e a ignorância e a intolerância.

ESTREIA 21 FEVEREIRO – LISBOA: UCI – El Corte Inglès, Alvaláxia – PORTO UCI - Arrábida, Lusomundo Dolce Vita


Marta Lisboa
(este texto foi-nos gentilmente enviado para o email)

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Before Walt

Em Maio de 2006 a Inkwell Images lançou um DVD interessantíssimo para os estudiosos da história da animação, principalmente a americana, desde os primórdios até... ao senhor Walt Disney. Actualmente parece estar esgotado, pelo que aqui fica uma breve descrição do seu conteúdo enquanto não surgir no mercado. Mais do que a curiosidade pelo início da animação, este DVD apresenta-nos autênticas raridades que fazem as verdadeiras delícias dos coleccionadores e dos entusiastas deste género de cinema. Começa por uma breve introdução, que recua no tempo até à pré-história, depois os egípcios, Leonardo daVinci com a câmara escura e, antes das primeiras experiências do século XX, temos acessoa imagens dos brinquedos ópticos e às raríssimas "Pantomimas Luminosas" de Reynaud e "Fantasmagoria" de Emile Cohl - este de 1907 (pessoalmente não conheço mais nenhuma edição em vídeo que as apresente). A seguir entra nas origens da animação americana, com destaque para o inevitável Stuart Blackton com "Humorous Phases of Funny Faces" de 1906, Winsor McCay, Max Fleischer, e, obviamente Walt Disney antes de "Steamboat Willie" e do seu Mickey. O vídeo surge na forma de documentário, mas apresenta alguns filmes completos, como por exemplo "Puss in Boots" de Disney. Assim, podemos perceber muito bem a passagem do papel para o acetato, nesta primeira fase da animação, bem como a junção da imagem real com a animação, a técnica da rotoscopia, e a proximidade à banda desenhada.
Os comentários da página da Amazon referem que tem "excelent transfers", mas para mim, não é bem assim, porque alguns (poucos) parecem copiados de VHS e há outras edições de alguns destes filmes com uma qualidade de imagem um pouco melhor. De qualquer forma, para nós que andamos sempre à procura de material para o sétimo ano, eis aqui um excelente material de apoio... em inglês. Assim que houver oportunidade farei chegar às vossas mãos uma cópia, perdão, uma versão original.
Ah, também lá está o gato Félix, obviamente!

Um abraço,
Pedro Félix

domingo, 3 de fevereiro de 2008


Já está pronta a parte 3 da compilação de filmes de animação
"O Cinema de Animação no Mundo II", quando me for possível enviar-vos-ei uma cópia. Estou entusiasmado e o novo computador ajuda imenso, é possível editar um dvd numa só noite (4/5 horas). Espero que gostem e que me enviem ideias para melhorar futuros trabalhos...Já está na forja um dvd com making of's e exemplos de técnicas de animação.
Paulo Rodrigues


sábado, 2 de fevereiro de 2008

Final de semestre na EB 2, 3 João da Rosa

Neste semestre, o balanço é bastante positivo relativamente ao 8º ano, que mostraram um empenho acima da média, pois a realização de uma curta-metragem motivou-os bastante. Lembrei-lhes que muito provavelmente, não haverá a disciplina no 9º ano, pois tal implicaria que os colegas de Ed. Visual ficassem com horário incompleto. Ficaram tristes e com saudades da disciplina. Escolheram o filme "O Garoto" de Charlie Chaplin, para visionarem na última aula.



Quanto ao 7º ano, apesar de positivo, reparei que estão menos interessados, apesar de segundo as suas opiniões, as aulas serem diferentes e aprenderem coisas interessantes. Não entregam os trabalhos e parecem não se preocupar com isso, dissem que não conta para reprovar, não sei onde foram buscar tal ideia. Escolheram o filme Shrek 3, para visionarem na última aula, apesar de frequentemente, em quase todas as aulas terem perguntado "Vamos ver um filme de terror?".
Paulo Rodrigues



quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Final de semestre

Finalmente! O semestre está a terminar e esta fornada concluiu o seu percurso para dar lugar a outros. Numa próxima postagem farei o balanço do sucesso/insucesso destes meses com mais pormenor, mas para já, com as avaliações quase concluídas, posso dizer que valeu a pena. É sempre agradável ouvir comentários de alunos que nos dizem: "ainda agora acabou a disciplina de cinema e já temos saudades" ou, "não me importava de ter cinema até ao final do ano". Para quem tinha poucas espectativas no início do ano lectivo, estas manifestações dão um pouco de alento e vontade de trabalhar. Relembro que estes alunos tinham escolhido outra opção mas, como o ME não autorizou a contratação de um professor para leccionar a disciplina de opção de ensino artístico, os alunos tiveram que frequentar o cinema (onde foram raros os alunos que se inscreveram). Também relembro que a generalidade dos alunos não optou pelo cinema porque alguns colegas mais velhos os convenceram a tal (foram eles próprios que o disseram).
Voltando aos resultados, posso garantir que os sétimos anos foram mais empenhados que os oitavos - nestes, o sentido de responsabilidade e a participação nas actividades foi bem menor. Tenho que ver bem qual ou quais os aspectos que devo melhorar, e se tal se justificar, proceder a algumas alterações, mas mantendo a mesma dinâmica, com aulas bastante diversificadas. De qualquer forma, para o 9º ano apenas me interessa que frequantem alunos realmente interessados na disciplina - pelo menos, faço questão de passar esta mensagem e recuso-me a fazer uma publicidade enganosa. Na última aula fui bastante sincero com os alunos, apresentando-lhes o programa e as actividades previstas.
E assim vai (uma parte de) Quarteira
Pedro Félix

domingo, 27 de janeiro de 2008

Animação


Como não encontro à venda nem para aluguer alguns dos filmes de animação que necessito, resolvi fazer uma pequena pesquisa em 400 das 800 páginas com filmes de animação no site http://www.stage6.com/. Fiquei simplesmente maravilhado, animação brasileira (Chico Bento), holandesa (Michael Dudoc de Wit), uma curta de sombras chinesas (mesmo da China), outra do "Pedro e o Lobo" (http://www.breakthrufilms.co.uk/peterandthewolffilm/index.html) com música de Sergei Prokofiev, produzido pelo UK e Polónia, uma visão para as nossas retinas, conseguida com a técnica do Stop-motion.
Os filmes do referido site são de excelente qualidade, excepto alguns maus exemplos, estão em DIVX, mas para visioná-los têm de fazer o download (freeware) do leitor de divx em www.divx.com , é bastante útil e os filmes não perdem qualidade quando convertidos para .avi e gravados em dvd (já experimentei).
Divirtam-se,
Paulo Rodrigues

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

A propósito de "Tempos Modernos"


Apesar de ser realizado quando o sonoro já estava consolidado, “Tempos Modernos” manteve os padrões do cinema mudo com a excepção de pequenos pormenores e uma famosa canção cuja letra é desprovida de sentido: "...La spinach or la busho, Cigaretto toto bello, Ce rakish spagoletto, Ce le tu la tu la trois! Senora fila scena, voulez-vous la taximeter, Le jaunta sur la seata, Je le tu le tu le waaah!..." . Pela primeira vez utiliza os gags sonoros. Chaplin ter-se-á inspirado na obra “Viva a Liberdade” de René Clair, para fazer uma crítica social à América da época, onde as novas técnicas de produção em série promovem a desumanização no trabalho e sobretudo, o desemprego. O vagabundo, personagem que Chaplin deu vida durante vários anos, volta a oferecer grandes momentos de humor a par de uma enorme humanidade, quando protege a jovem órfã (Paulette Goddard), que o irá acompanhar no final pela estrada fora até ao infinito, e também na vida real (casaram secretamente em 25 de Junho desse ano).

Em 2007, o American Film Institute considerou "Modern Times" como o 78º melhor filme de todos os tempos.


Mais informação em:



quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Fim do 1º semestre

Recebi ontem a fantástica compilação de animação que o Paulo nos mandou. A continuar assim, a disciplina de cinema só tem a ganhar, porque a qualidade das aulas aumenta e obriga a subir a fasquia. Por outro lado, esta atitude do colega de Olhão revela o bom ambiente entre o pessoal que está neste projecto.

Pois agora vamos ter que continuar a fazer materiais onde a qualidade é o mote, e já não há volta a dar. Sempre a aprender, a pesquisar, atrás das novidades... até parece que vale a pena ser professor.

Quanto ao encerramento do semestre, os alunos deste turno estão a concluir as actividades. Só falta praticamente a auto-avaliação nos sétimos. Na última aula gostaria de apresentar aos alunos alguns sítios de animação com filmes e outras informações úteis - os que estão assinalados neste blog mesmo aqui ao lado. Nos oitavos anos, ainda há algumas filmagens a fazer. E este é um dos problemas com que me tenho deparado com muitos destes alunos (se calhar o problema é meu): vão adiando, adiando, até que chega ao fim sem o trabalho estar concluído. O Paulo tinha dito anteriormente que estava surpreendido com a qualidade dos trabalhos. Infelizmente não posso dizer o mesmo. Nesta banda, tenho reparado que muitos miúdos são pouco exigentes consigo próprios, limitam-se a fazer o que é elementar, e muitas vezes não é suficiente. Tem que se continuar a lutar para alterar esta postura.

Mas o problema é que isto só se combate se se reduzir o grau de exigência. Pelo menos é o que muito boa gente defende. Será? Não consigo encontrar resposta. E se o que está em causa é a avaliação, quem se quer prejudicar?

Hoje, uma aluna veio ter comigo e disse que a mãe a estava a ajudar a (re)fazer o trabalho - "Tempos Modernos" de Charlie Chaplin -, porque o achava interessante e porque eu tinha "pedido" aos alunos para serem criativos. Creio que devo ter feito uma cara de espanto: uma encarregada de educação empenhou-se na realização de uma tarefa. Uma (que eu saiba). Devagar se vai ao longe.

Assim vai (uma parte de) Quarteira

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

"Cabíria" de Giovane Pastrone













A partir de 1908 o cinema italiano especializou-se nos grandes épicos, filmes históricos baseados na antiguidade clássica. Cabíria é o nome de uma jovem raptada por piratas cartagineses que, depois de tornada escrava seria salva quando estava prestes a ser sacrificada ao deus Moloque. Este filme foi uma super-produção que custou à data 1.250.000 liras, utilizou milhares de figurantes, mas destaca-se sobretudo pela grandiosidade dos cenários e pela utilização de técnicas de estúdio inovadoras: o travelling (da responsabilidade do fotógrafo/realizador espanhol Segundo de Chomon) e a iluminação.
A personagem do gigante Maciste seria mais tarde associada a Mussolini.




segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

A descobrir

Aviso à navegação: Há uma nova editora/distribuidora no mercado a lançar uns DVD's de categoria: a Flickeralley (http://www.flickeralley.com/) from Los Angeles. Destaco a caixa "Discovering Cinema" com os documentários "Learning to Talk" e "Movies Dream in Color", sobre a ascenção do som no cinema e as experiências de cor. Mas é sobretudo nos extras que estes discos se evidenciam. Apresenta vários filmes significativos das sucessivas propostas de sonorização, desde o som directo até ao Fono-Gramo-Teatro (?), Cinofone (?), processos Phonoscene e Kinetophone até ao Vitaphone (o tal do "Jazz Singer"), acabando no sistema óptico que se mantém, com mais ou menos inovações.
Quanto à cor também há filmes representativos dos processos aditivos e subtractivos. Alguns destes exemplos podiam já ser vistos na colecção "More Treasures From American Film Archives (1894-1931)". A Flickeralley prepara uma colecção de Méliès, o que vem trazer ao mercado uma nova oferta de edições de qualidade - já conhecíamos a americana Kino (http://www.kino.com/) e a britânica Eureka (http://www.eurekavideo.co.uk/) com um vasto catálogo dos pioneiros. Por cá também temos a excelente Midas (www.midas-filmes.pt/), mas que 'ainda' não edita os clássicos do mudo e... infelizmente ainda não há nada dos pioneiros portugueses. É que isto do DVD já começa a tornar o cinema acessível ao zé povinho e não só às elites bem pensantes.

Aquele abraço,
Pedro Félix

sábado, 12 de janeiro de 2008

Aqui, na EB João da Rosa

Já terminei a matéria e nesta fase final do semestre, os alunos apresentaram os trabalhos de pesquisa individual sobre as produtoras/estúdios de animação...fiquei supreendido! Empenharam-se bastante. Um aluno entregou-me (em papel) um trabalho excelente sobre o estúdio Ghibli, apesar de momentos antes ter atirado para o contentor da reciclagem uma lata de sumo... atrás da qual iria a "pen" que continha a única cópia digital do respectivo!!!!!!! Para completar as aulas estou a mostrar animação canadiana da NFB. Para a semana irão realizar uma ficha de avaliação e irei ensinar-lhes como funciona a máquina de filmar.


As turmas do 8º ano, terminaram as planificação dos filmes. uma das turmas já realizou 2 curtas-metragens e fizeram também o 1º corte, a montagem será feita por mim, visto não existir tempo suficiente para os alunos o fazerem. Vão também realizar uma ficha de avaliação, na qual ousei colocar uma pergunta de análise da sequência da Escadaria de Odessa, do filme "O Couraçado Potemkin" de Serguei Eisenstein. acho que vão conseguir, pois as reacções anteriores à dita sequência foram muito interessantes.


Bom trabalho para todos,

Paulo Rodrigues

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Em Quarteira



Mais uma semana de trabalho com a disciplina de cinema e quase a acabar o semestre. Nesta escola há 7 turmas, três do sétimo ano e quatro do oitavo. É obra. E pensar que quando começou o ano lectivo não havia nenhuma turma com a disciplina. Afinal, parece que os alunos até aderem e aqueles que tanto denegriram o cinema na escola e o trabalho desenvolvido, devem estar a engolir uns belos sapos. É claro que ainda há muitas arestas a limar, mas o futuro é promissor, principalmente quando vemos os alunos a adquirir conhecimentos, às vezes sem se aperceberem. Aí, sentimos que vale a pena. As turmas do sétimo já têm praticamente o percurso concluído. Começaram com os brinquedos ópticos com resultados acima da média (esta parte quase todos gostam). Com a animação, já deu para ver quem se interessa mais e quem estuda. Como faltam poucas aulas, não vou pôr os alunos a fazer um animatic. Não ia ter grandes resultados. Optei por lhes mostrar algumas animações que de outra forma lhes seriam provavelmente inacessíveis. Foi curioso vê-los a pedir para ver outra vez a “História Trágica com Final Feliz”. Ainda lhes mostrei as “Dimensões do Diálogo” do Jan Svankmajer e até tive algum receio das suas reacções, mas às vezes até parece que não são tão infantis. A maioria identifica facilmente as técnicas de animação, já os autores é mais difícil. Vamos ver na ficha para a semana como se portam.




Quanto ao oitavo ano, estamos a acabar de ver o documentário “A Magia da Montagem no Cinema”. Para mim são grandes aulas porque o documentário está bastante explícito. É pena não haver ainda uma edição em DVD em português (como quase sempre). Mais uma vez, os alunos revelam uma franca aquisição de competências: por exemplo quando conseguem relacionar o plano em que o tubarão se dirige em direcção à câmara no filme do Spielberg, com a “Chegada do Comboio” dos Lumière. Quantos jovens da idade deles o fariam? Depois veio a Montagem Invisível do Griffith e o efeito Kuleshov. Só é pena os alunos ainda terem certas dificuldades quando lhes peço que apresentem reflexões escritas. Mas esse não é um problema exclusivo do cinema, já vem de trás. Neste momento já estou a pensar refazer alguns materiais para o segundo semestre. Ideias não faltam.
Pedro Félix

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Fantástico... o visual é extraordinário e finalmente temos um "cantinho" para partilhar os nossos conhecimentos e descobertas, pois é difícil reunirmo-nos no dia-a-dia.
Ok,agora vou explorar esta coisa, porque para já sou leigo e ainda coloco um filme com 20gb no blogue!

Parabéns Pedro.

Saudações cinéfilas,
Paulo Rodrigues

Apresentação

Este blog foi criado pelos professores que leccionam a disciplina de cinema nas escolas que aderiram a este projecto pioneiro. O nosso objectivo não é formar realizadores (quem sabe?). Pretendemos incluir no curriculo do ensino básico uma área que trate da imagem em movimento, mas com uma vertente artística. Sabendo que a imagem tem um papel cada vez mais determinante na formação dos jovens, a escola deve oferecer a possibilidade de ensinar a desmontar a informação visual. A disciplina de cinema permite que os alunos adquiram várias competências ao nível da capacidade de expressão, comunicação, criatividade e também das novas tecnologias. O seu carácter interdiscilplinar permite estabelecer pontes com as outras áreas do saber, de forma a consolidar os projectos curriculares.
O cinema na escola é o herdeiro de um outro projecto da DREAlg: Juventude-Cinema-Escola, que há uma década tem formado público(s) para o cinema, levando centenas de alunos por ano a visionar em sala filmes que depois são estudados na escola. Estes projectos são complementares (a disciplina de cinema não substitui o JCE), e baseiam-se nos mesmos princípios.
Começámos com duas escolas, já somos 5 e já há mais escolas interessadas a aderir. Com a criação deste blog podemos mais facilmente partilhar as nossas experiências.